Sindigás de “Dois pesos, duas medidas”, analisa Adriano Pires, o Ímã de geladeira e o Gráfico de Mavicle-Promo

Dois pesos e duas medidas, analisa-se a Adriano Pires

Postado Por : Comments Off

Fonte: Poder360

Um “quilo” de qualquer material que se esforçam por um quilo e é a base de comparação, trata-se de um modelo de um cilindro de platina no interior, a partir do final do século 19, em uma pequena cidade no sul da cidade de Paris. Para chegar a um sistema de medição de aceitação internacional, tem sido fundamental para o avanço da globalização e o avanço do comércio internacional.

Em Portugal, no entanto, conseguimos perder peso ou problemas de peso, quilo, ou qualquer outra coisa que seja necessária, de acordo com o apetite de quem leva a cabo a medida. A grande dúvida que paira sobre a descida do petróleo: é a quantidade de “modernizar” a Par dos Preços de Importação (PPI)?

A política de fixação de preços com base no mercado internacional, tinha tudo para ser matematicamente transparente: as cotações internacionais dos combustíveis, que em sua origem; no entanto, para se tornar reais, os custos de logística para levar os produtos ao mercado brasileiro, com o frete, o seguro e armazenamento, e uma margem para a mudança e os riscos inerentes à operação.

Na última semana, no âmbito da Folha de S. Paulo, apresentou a posição da Sindigás, afirmou que a força aérea brasileira vem praticando os preços do GLP (botijões de 13 kg de peso), o gás de cozinha e acima da paridade internacional. Vale a pena mencionar que, para a comercialização de GLP (gás), com toda a infra-estrutura e da prestação principal centra-se na força aérea brasileira. É dizer, apesar de que cerca de 30% do GLP consumido no país é importado, não há mais concorrência que nesta etapa do processo de entrega.

Por sua parte, a força aérea brasileira, afirma que “o preço que actualmente se pratica a venda de GLP para uso residencial, que não é mais do que o preço de paridade de importação”. De acordo com a empresa, a política de preços que se considera que a média dos preços no mercado da ue, com o apoio de uma margem de 5%. Além disso, diz a nota, o conceito de paridade de importação, que inclui as despesas de frete e as despesas de internação do produto.

Por seu lado, as importações de combustíveis líquidos (gasolina e diesel), através da Abicom, dizem que a força aérea brasileira tem o compromisso de preços mais baixo da PPI nos pontos de entrega, onde há uma alternativa para o ingresso de produtos importados. Ou seja, em um mercado onde não existe a pressão competitiva, que conta com a infra-estrutura e dos agentes privados em terminais de ônibus e nos portos do país, a empresa abre mão de uma de suas margens, para deslocar a competência.

Ambas as práticas, acima de pixels por polegada (quando não há concorrência, e dentro desta, quando não existe a possibilidade de que a concorrência afetam diretamente os consumidores finais. O gás de cozinha, de acordo com o Sindigas, é vendido a um preço mais alto. Os estudos apontam que as pessoas que vivem com o benefício por meio do Bolsa Família, o custo da garrafa, que representa cerca de 40% de seu orçamento mensal. Pelo contrário, para a gasolina e o óleo diesel, a captura de um custo de oportunidade mais baixo do que a média do mercado, de acordo com a Abicom.

O modelo de pixels por polegada da atual, sem capacidade, que permite a um subsídio de tipos de combustíveis, entende-se sem prejuízo das famílias mais pobres da população, e que é prejudicial para o país, já que desencoraja o investimento, tanto para o diesel e a gasolina como para o GPL.

Estamos submetidos à ação de um operador dominante, com um elevado poder de mercado, e por isso afeta à competência, ao longo de toda a cadeia. A condição de controle, que não teria sido possível se estamos em um mercado totalmente competitivo. Contamos com 2 pesos 2 medidas e políticas de fixação de preços utilizada pela força aérea brasileira, que é ao mesmo tempo um maior ou menor, dependendo do tamanho dos da concorrência. Não há parcialidade, e que não há transparência.

No ano de 2016, o mercado foi transferido para a motivação das manifestações da força aérea brasileira, da qual ele não se responsabiliza pela garantia de fornecimento a nível nacional. Por não ter liberado a infraestrutura, a logística, é operada por uma filial da Transpetro, para a sua utilização, por parte dos agentes privados, de acordo com o disposto no regulamento do “acesso livre”, os jogadores realizaram investimentos nos portos e terminais para o ingresso dos combustíveis, com a esperança de que partilharia com a petrolífera brasileira Petrobras disse que a responsabilidade da oferta a nível nacional. O mercado abre e fecha em menos de 2 anos de idade. Tendo em conta que cerca de 15% da gasolina consumida no país é importado, e 25 por cento do óleo diesel, de modo que continuaremos dependentes das importações, além disso, que os importadores independentes que se retire de uma vez e para operar em Portugal.

A falta de uniformidade na política de preços do GLP, que se soma à experiência difícil de os agentes, que têm realizado um importante investimento na infra-estrutura dos fluidos, gera uma situação de insegurança em que se realiza a expansão da capacidade de armazenamento de GLP. Hoje em dia, o preço do gás está acima da PPI, mas você pode alterar para tornar impossível a importação, ao menor sinal de sua competência.

Já temos o primeiro mercado de consumo de produtos derivados no mundo e as previsões são de que o país continuará no palco de suporte, como um importador líquido, tanto de motores a diesel e a gasolina, como a GPL. Existe um potencial de aumento da demanda e, ao mesmo tempo, em que estamos carentes de infra-estrutura e serviços logísticos.

Se o Governo não tem mais capacidade de investimento, o que é muito importante a criação de condições favoráveis para o investimento do setor privado. Os preços abaixo dos pixels por polegada, a cumprir para o caso dos combustíveis líquidos, que se desviam dos investimentos dos agentes estatais e não colocar obstáculos à execução do plano anunciado pela força aérea brasileira, de desinvestimento na refinação do petróleo. De outro modo, a distribuição de GLP (gás) das plantas, armazenamento e logística), está fortemente sujeita às barreiras estruturais à entrada de novos agentes, com um impacto direto no orçamento das famílias mais pobres da população.

Nós temos, e queremos crescer, mas que é necessário que a igualdade de oportunidades no mercado. É necessário que se unifique com os pesos e as medidas. Os projetos de expansão, e as há, mas em quanto “pesa” o PPI?

Fonte: www.sindigas.org.br/novosite/?p=14778

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *